(389) Sentindo em nossas vidas, o passado e o futuro (última parte).

O passado está escrito na memória e o futuro está presente no desejo.

São palavras do escritor mexicano Carlos Fuentes (1928-2012). Uma bela relação da passagem ilusória da temporalidade em nossas vidas, confirmando que o significado e a valoração de tudo existe surge e se manifesta de nós, da nossa interioridade.

A primeira parte desta mensagem começou com a participação de Oscar Quiroga, e muitos dos meus seguidores perguntaram se acredito em astrologia. Respondi que não podemos negar a influencia no nosso planeta, recebida dos posicionamentos dos astros no nosso sistema solar. Complementei, citando como exemplo incontestável, os movimentos das marés nas águas dos mares e dos oceanos próximas dos litorais. Finalizei dizendo que aprecio e gosto da subjetividade nas previsões. Hoje ele iniciou o seu horóscopo, com esta introdução:

Experiência cósmica completa

Acreditar ou não em astrologia é irrelevante, muito menos relevante ainda é nos convencermos de que a ciência materialista seja a única capaz de determinar o que é verdade, porque essa atitude, apesar de parecer racional e de se contrapor às crenças, nas quais se encaixaria a astrologia, não deixa de ser uma crença também.

As crenças não são tóxicas nem tampouco o racionalismo é venenoso, nossa humanidade é uma experiência cósmica completa, todos os ingredientes que compõem esse organismo colossal e inteligente que chamamos de Universo estão presentes em nós, só nos falta aprendermos a utilizar nossos instrumentos, e isso não é algo que aconteça automaticamente, pelo mero fato de nascermos humanos, é preciso, em algum momento, acreditar na hipótese e dedicar a vida inteira a prova-la, ou a descartar.”

Gostei desse seu reconhecimento:

– “A NOSSA HUMANIDADE É UMA EXPERIÊNCIA CÓSMICA COMPLETA.

Também destaquei na primeira parte desta mensagem, Quiroga se referindo a uma “linha divisória entre o “passado” e o “futuro”. Segundo ele, delimitando um nosso “estado de indiferença quanto a tudo que aconteceu e uma expectativa ansiosa e alegre em relação ao futuro”. Não concordo com essa abrangência de indiferença “quanto a tudo que já aconteceu”, porque nós devemos valorizar todas nossas experiências, sejam elas significativas ou não, como aprendizados de vida, sendo por nós desejado ou não. O mais importante são as nossas oportunidades de aprender e poder modificarmos interiormente, independente do resultado de como tudo acontece em todas as fases existenciais do nosso “viver”. A respeito, lembrei deste ensinamento do líder espiritual OSHO (1931-1990), no seu quinto livro da série “Questões Essenciais”, “A jornada de ser humano”, publicação da Editora Academia. Ele começa no prólogo, contando:

Perguntara a um monge Zen: “O que você costumava fazer antes de se tornar iluminado?”
Ele respondeu: “Eu costumava cortar madeira e carregar água do poço”.
E então lhe perguntaram: “O que você faz agora que se tornou iluminado?”
Eele respondeu: “Eu corto madeira e carrego água do poço”.
O questionador ficou confuso e disse: “Então, parece não haver diferença”.
O mestre disse: “A diferença está em mim. A diferença não está em meu atos, a diferença está em mim – mas porque eu mudei, todos os meus atos mudaram. Sua importância mudou: a prosa se tornou poesia, as pedras se ornaram sermões e a matéria desapareceu completamente. Agora há apenas Deus e nada mais. Para mim, a vida agora, é o nirvana”.

Logo em seguida, OSHO assim inicia a introdução desse seu livro:

“O homem nasce com uma potencialidade desconhecida, misteriosa. Sua face original não está disponível quando ele vem ao mundo. Ele tem de encontrá-la. Ela vai ser uma descoberta, e aí está sua beleza. E essa é a diferença entre um ser e uma coisa. Uma coisa não tem potencial, ela é o que é. Uma mesa é uma mesa, uma cadeira é uma cadeira. A cadeira não vai se tornar qualquer outra coisa, ela não tem potencialidade; só tem atualidade. Não é uma semente de algo.

Pensem nisso.

Notas:
1. A reprodução parcial ou total, por qualquer forma, meio ou processo eletrônico dependerá de prévia e
expressa autorização, com indicação dos créditos e links, para os efeitos da Lei 9.610/98 que regulamenta os direitos de autor e conexos.
2. Havendo nesta mensagem qualquer alegação ou citação que mereça ser melhor avaliada ou que seja contrária aos interesses dos seus autores, mande a sua solicitação para edsonbsb@uol.com.br .

Muita paz e harmonia espiritual para todos.

Sobre Edson Rocha Bomfim

Sou advogado, natural do Rio de Janeiro e moro em Brasília. Idade: Não conto os anos. Tenho vida. Gosto de Arte, Psicologia, Filosofia, Neurociência, Sociologia, Sincronicidade e Espiritualidade. Autores preferidos: Carlos Drummond de Andrade, Fernando Pessoa, Mark Nepo, Cora Coralina, Clarice Lispector, Lya Luft, Mia Couto, Mario Sergio Cortella e Mauro Maldonato. edsonbsb@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Busca Interior. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *