(043) Sentindo a “Sensibilidade da Alma” da atriz Betty Lago.

O filósofo alemão Martin Heidegger, renomado pensador do Século XX, estudou profundamente o “sentido do ser humano” nesta existência.

Tenho pensado muito nesta conhecida e impactante frase de Heidegger, ao se referir ao homem: – Ele “é um ser lançado no mundo”.

Neste espaço virtual, sempre manifesto a minha convicção de que todos nós somos “seres transcendentes” em relação à nossa atual realidade e, nela, temos finalidades “existencial” e “espiritual” bem denfinidas para serem por nós descobertas.

Não tenho dúvidas de que essa “descoberta” (de origem “existencial” ou “espiritual”), somente poderá ser alcançada por nós mediante “buscas interiores” sobre as nossas necessidades de “aprimoramento” e de “crescimento”, em todos os sentidos das nossas vidas.

Nós precisamos estar “conscientes” de que temos (pelo fluir do “ciclo da vida”), oportunidades preciosas de alcance de “melhorias” que, no entanto, por vezes podem passar por despercebidas.
Devemos “escutar” as “percepções” do nosso “sentir” (principalmente as do “saber sentir” com a “sensibilidade da alma”).
Precisamos conhecer os nossos “sentimentos” e “emoções”, porque são manifestações que só nos pertencem e definem o sentido do nosso “existir” e do nosso “viver”.

Certo é que nunca devemos esquecer desta lição de vida, contida no início da poesia “Saber Viver” de Cora Coralina:

Não sei… Se a vida é curta
Ou longa demais para nós,
Mas sei que nada do que vivemos
Tem sentido, se não tocamos o coração das pessoas.

Hoje o meu coração foi tocado pela “sensibilidade da alma” da atriz Betty Lago, ao ler a notícia do Portal Uol sobre a sua presença no coquetel de estreia do espetáculo “Romance Vol. III”, de Marisa Orth, na noite de terça feira desta semana, no Teatro Porto Seguro, em São Paulo.
Com o seu cabelo curto (em razão do tratamento de um câncer diagnosticado em 2012), Betty Lago foi acompanhada do seu namorado, e declarou ao reporte Felipe Abílio do Uol em São Paulo, o seguinte:

– Não me considero uma pessoa doente, eu me considero uma pessoa fazendo um tratamento. Se eu me considerasse doente, estaria deitada e sofrendo, não estaria aqui. Você meio que se acostuma porque faz parte da sua vida e ela não pode parar por isso.

– Nunca tinha tido uma doença grave, nada, de repente fui operar uma vesícula e saí com um tumor, isso foi um choque. Fiquei uns 20 dias ansiosa, esperando o resultado dos exames, foi um momento tenso para mim e para os meus filhos. Mas no momento em que você recebe o diagnóstico e começa o tratamento, dá um alívio.

– Sempre mudei o cabelo, fiz milhões de cores. No começo pensei que seria mais uma bobagem perder o cabelo, ficar careca, mas dá primeira vez não foi legal, foi o momento mais tenso, eu me sentia nua. Mas continuo fazendo o tratamento, então cai, volta, volta enrolado… Quando começa a ficar sem graça meu filho raspa.

Ao ser perguntada sobre uma possível crença em milagres, Betty respondeu:

– Quando a gente fala em milagres, acredito que é uma conjunção de coisas, uma força interna que você não sabe de onde vem, com a energia das pessoas que gostam de você. A energia dessas pessoas me surpreendeu, tudo isso cura você. As pessoas falam que fulano morreu de câncer. Não! Você morre porque chegou sua hora. A medicina também está muito avançada, tem um amigo médico que diz que o câncer está desmoralizado, e realmente são milhões de pessoas que se curam.

Com relação ao cometário de Felipe Abílio, sobre as pessoas que consideram um martírio receber a quimioterapia, Betty respondeu:

– Antes ficava quietinha, agora já parece um clube. Faço desfile de moda, pergunto da vida, pergunto que câncer o outro tem, faço piada. A enfermeira fala que está feliz em me ver, eu respondo que não estou nem um pouco feliz, daqui a pouco vou fazer talk show lá.

Sobre como driblou os efeitos colaterais dos remédios durante os 20 dias de gravação do “Desafio da Beleza”, do GNT, que vai ao ar em agosto, respondeu:

– De repente dava um sono, mas todo mundo já se acostumou. A gente parava a gravação para almoçar, comia uma comidinha bem natural, dormia uns 20 minutos, mas daquele sono profundo, sabe? Acabaram hoje as gravações e eu chorei horrores, sabe quando a equipe e o programa dão muito certo? Então foi muito gostoso.

A entrevista terminou com Betty Lago falando do planejamento da sua volta em um canal de vídeo, em parceria com o seu filho Bernardo:

– Já gravei uns dois vídeos e achei bem engraçado, minha filha fala que é estranho uma pessoa rir dela mesma. Eu via minhas novelas e ria muito, achava engraçadíssimo. Paramos o canal com seis vídeos, mas agora vamos voltar.

Ao contrário das entrevistas anteriores, não vou comentar o “sentir” da Betty Lago. As “projeções interiores” da sua “sensibilidade da alma” são suficientes para servir de exemplo de “confiança” e de “fé”, além de revelar a sua missão “existencial” e “espiritual” no sentido de “mostrar” a possibilidade de “valoração da vida” sem perder o sentimento de esperança de cura do câncer, durante o tratamento médico.

Termino esta mensagem, com a entrevista de Betty Lago concedida em 22/04/2012 ao Programa “Domingo Espetacular”, da Rede Record:

Notas:
1.A reprodução parcial ou total, através de qualquer forma, meio ou processo eletrônico, dependerá de prévia e expressa autorização do autor deste espaço virtual, com indicação dos créditos e link, para os efeitos da Lei 9610/98, que regulamenta os direitos de autor e conexos.
2.Havendo, neste espaço virtual, qualquer citação ou reprodução de vídeos que sejam contrários à vontade dos seus autores, serão imediatamente retiradas após o recebimento de solicitação feita em “comentários” no final de cada postagem, ou para edsonbsb@uol.com.br
3.Vídeo do youtube: Entrevista da atriz Betty Lago, concedida em 22.04.2012 ao Programa “Domingo Espetaculrar”, da Rede Record.

Muita paz e harmonia espiritual para todos.

Sobre Edson Rocha Bomfim

Sou advogado, natural do Rio de Janeiro e moro em Brasília. Idade: Não conto os anos. Tenho vida. Gosto de Arte, Psicologia, Filosofia, Neurociência, Sociologia, Sincronicidade e Espiritualidade. Autores preferidos: Carlos Drummond de Andrade, Fernando Pessoa, Mark Nepo, Cora Coralina, Clarice Lispector, Lya Luft, Mia Couto, Mario Sergio Cortella e Mauro Maldonato. edsonbsb@uol.com.br
Esta entrada foi publicada em Busca Interior. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *